A arte de ouvir

Estava lendo um livro hoje chamado Trabalhando com a Inteligência Emocional, e logo em seguida ouvi um podcast chamado Café Brasil. Os dois falaram sobre um assunto parecido – Auto-conhecimento e ouvir.

Tomo a liberdade de pegar um pedacinho do conteúdo do podcast:

… As pessoas em geral acham que é extremamente importante ouvir os clientes para promover melhorias nos serviços
… quando foi a última vez que você perguntou para o seu companheiro: como posso ser melhor para você?
Quando foi a última vez que perguntou para os seus pais, como você pode ser um filho melhor?
Quando perguntou para seus amigos, como pode ser um amigo melhor? Sabe por que não perguntamos?
Porque no fundo temos medo de respostas não previsíveis. Afinal, perguntar, requer ouvir e fazer algo com a resposta…

Temos medo da resposta ser algo que não queremos ouvir.

Pq isso ?
Pq é mais fácil ouvir o cliente e os colegas de trabalho ?

Isso acontece porque quando isso se dá no mundo corporativo, se ouvimos alguma crítica inesperada, ela é feita ao nosso trabalho ou à nossa empresa.

Quando ouvimos uma crítica no outro caso, ela é pessoal. Ela vai ao nosso íntimo e é feita ao que eu mesmo sou. Isso não faz necessária uma mudança a um grupo ao qual eu pertenço, mas faz necessária uma mudança ao meu ser, minha imagem e meu íntimo.

Isso dói pois mostra que eu talvez não seja tão bom ou mesmo bom, ou mesmo correto tal qual eu achava.

Isso quebra a imagem que eu tenho de mim mesmo.

Isso faz com que eu talvez tenha vergonha de mim mesmo e saiba que eu estou errado e quem eu achava que estava errado, desta vez está certo.

Deveríamos praticar essas perguntas. Uma pessoa por semana, ou por mês.

Pode-se começar diferente. Posso começar repassando o meu próprio comportamento na minha mente e me perguntando:

– Eu sou uma boa pessoa ? Eu deixo as pessoas felizes ? As pessoas sorriem (sorriso, não risada!) quando estão comigo ? As pessoas se sentem confortáveis comigo ?

É necessário se importar realmente com o que me é dito, sempre. Ouvir e analisar, ao invés de ao ouvir uma palavra destoante pensar: A outra pessoa está errada. Eu vou falar o que é correto.

Para reflexão:

Uma discussão vale a pena quando não somos ouvidos ? Vale a pena discutir com quem não está disposto a nos ouvir ?

Eu sei ouvir ? Vale a pena falar, se eu não sei ouvir ?

Um grande abraço.

Referências:
Podcast Café Brasil
Livro Trabalhando com a Inteligência Emocional

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *